Prótese de Panturrilhas

A região das panturrilhas tem artérias e veias calibrosas e o compartimento muscular é bem justo. Com o caminhar, a contração desses músculos funciona como uma bomba que retorna o sangue das pernas para o coração. É a região do corpo mais suscetível à trombose, isto é, quando o sangue coagula dentro das veias. Na cirurgia de aumento das panturrilhas as próteses são colocadas dentro do compartimento muscular. Portanto é uma cirurgia que envolve maiores riscos porque as próteses comprimem os vasos que estão entrelaçados aos músculos desta região. Além disso, ocorre muita tensão na linha da sutura (uma incisão com cerca de 4 cm na dobra atrás dos joelhos) e frequentemente as cicatrizes terão um aspecto alargado sendo mais visíveis. Outra complicação com maior prevalência nesta cirurgia a abertura dos pontos (deiscência) podendo até ser necessária a retirada das próteses se elas ficarem expostas. Quando a cirurgia é bem feita e principalmente o(a) paciente tomar os cuidados necessários no pós-operatório, ela trás bons resultados.

Existem 2 tipos de próteses, as simétricas (em forma de canoa), e as assimétricas (em forma de pingente), que tentam simular o formato dos músculos da perna. Os tamanhos são comedidos pois a região é apertada, sendo mais comuns entre 120 e 180 ml.

Aplicação de preenchedores como PMMA ou ácido polilático não são indicados para panturrilhas por grande risco de injeção intravascular e tromboembolia pulmonar.